top of page
ASAS (Diego Mac) (13).png

REALIDADES VIGENTES. CORPORALIDADES FUTURAS

@ Diego MAC

O III Encontro internacional e interdisciplinar em Dança, Cognição e Tecnologia (EiDCT 2024), abordará o tema “Realidades Vigentes. Corporalidades Futuras” a partir de uma programação distribuída ao longo deste ano de 2024, contando com palestras, mesas de discussão, atividades artísticas e as oficinas chamadas de LabDCT. Em formato de laboratório experimental e interdisciplinar, o LabDCT promove uma exploração prática e reflexiva sobre as artes da cena (dança, teatro, performance, circo) criadas através da mediação tecnológica e das poéticas digitais.

SOBRE

Nesta edição, o III EiDCT pretende estimular uma reflexão sobre o termo realidades expandidas, a qual inclui a realidade virtual, aumentada e mista. Considerando a profusão do contexto digital pulsante no cotidiano de toda a sociedade contemporânea, ponderamos se a realidade vigente já não engloba o que, até então, se considerava uma expansão do real vivido. Desta forma, quais serão as consequências das corporalidades quando estão cada vez mais presentes na cena avatares e(m) ambientes digitais, imagens construídas por inteligência artificial, configurações artísticas que solicitam outras formas de imersão e fruição do público? 

Pretendemos, assim, dialogar com as diversas perspectivas sobre as corporalidades em um futuro cada vez mais digitalizado, reconhecendo a importância do corpo físico para a experiência humana e estética. Interessa colocar em pauta as descobertas e criações de artistas e estudiosos do campo da dança e da performance que se utilizam “das realidades” (virtual, aumentada, mista) e da inteligência artificial em suas criações. Portanto, o intuito é ampliar e fortalecer as discussões sobre a virtualização nas artes do corpo a partir de distintas compreensões de corporalidade e seus processos estéticos e de sensibilização.

Esperamos que este evento seja um espaço para reflexão crítica, debate construtivo e experimentação artística sobre o futuro da corporalidade humana nas artes da cena.
WhatsApp Image 2024-07-01 at 22.59.53.jpeg

@ Gilles Jobin

PROGRAMAÇÃO

JULHO / 2024

LabDCT 2

Dito e Feito: palestras-performances em experimentações

Sobre o evento

É uma programação de obras em processo. Todos os trabalhos são ativados por uma força incongruente que surge entre a palavra escrita e a desestabilização de sua apresentação. Os trabalhos apresentados integram em sua maioria o projeto de pesquisa “Uma genealogia intensiva para as palestras-performances” coordenado pelo professor e artista Felipe Ribeiro dentro do Traço - núcleo de performatividades da imagem do Programa de Pós-Graduação em Dança - PPGDan/UFRJ. Dito e Feito acontece como o segundo Lab DCT, uma atividade do III Encontro internacional e interdisciplinar em Dança, Cognição, Tecnologia.

ditoefeito-feed1.png

SINOPSES

Stereo Som Sistema
de Felipe Ribeiro com Erika Vargas e Vitória Valente

Performada por duas pessoas, Stereo Som Sistema reverbera a voz que genuinamente fala pelo outro, com o outro e através do outro, considerando que canalizar já é uma forma de ser.

WhatsApp Image 2024-06-24 at 21.20.59 (1).jpeg

O exercício da força
de Deisi Margarida

Extraída dos versos de “o acontecimento levante”, texto de antônio negri para o catálogo da exposição “Levante” curada por didi-huberman, o título desta palestra-performance evoca dois dispositivos de trabalho: pensar o exercício da força produzida pelo corpo e tomar a palavra como 2 gestos seguidos. serão investigadas a matéria-fôlego e a matéria-palavra como forma de acesso às práticas de contra-arquivação de documentos que convoquem a dança para debates críticos do corpo. este experimento é parte do processo de pesquisa da artista sobre arquivo, dança, política do movimento e escrita, recentemente debatido na dissertação de mestrado “campo de defesa: práticas de contra-arquivo a partir do manual de campanha da ordem unida”.

WhatsApp Image 2024-06-24 at 21.21.00.jpeg

A lembrança é
uma dança
de Laura Vainer

A sala de dança é um espaço físico que pode ser definido afetivamente a partir das lembranças e da imaginação. nessa palestra-performance, o movimento e as palavras são elementos para a criação de uma memória de (não) bailarina. a partir da narração de duas experiências formativas em salas de dança, compartilha-se a relação entre linguagem e corpo para desestabilizar os sentidos individualizantes de um trauma tão velho, quanto irritante: a “bailarina clássica” não é só um estereótipo idealizado de feminilidade, mas um projeto robusto de controle e exploração do desejo de movimento de corpos femininos ou feminilizados. o trabalho é fruto da pesquisa de mestrado “Memória de (não) ser bailarina: lembranças, impedimentos e amor à dança”, onde se experimentou o toque como um acesso específico ao pensamento. como peça artística contígua à dissertação de mestrado, a palestra-performance ativa esta pergunta: o movimento dançado, ao interagir com a linguagem discursiva, pode não apenas representar uma lembrança do corpo, mas exercer um poder sobre o corpo para manter a sua constância desejante?

WhatsApp Image 2024-06-24 at 21.20.59.jpeg

Sim, senhor
de Carolina Nóbrega

Ela fala com você. sua voz sai de um aparelho pequeno, discreto, perfeitamente arredondado, sem arestas. mas esse aparelho não é o seu corpo. ela nunca se exalta. ela nunca te diz não. ela executa tudo que você pede desde que esteja em seu alcance. se não pode te satisfazer, se desculpa, gentilmente. 01010011 01101001 01101101 00101100 00100000 01010011 01100101 01101110 01101000 01101111 01110010 00101110 é comando e ele quer dizer Sim, Senhor. Alexa, Siri, Cartana e Holly: se você perguntar, elas dirão que não possuem gênero. mas suas vozes parecem expressar o contrário. por que as relações com as máquinas insistem nessa fantasia: a de um homem que manda e de uma mulher que obedece?

WhatsApp Image 2024-06-24 at 21.20.59 (2).jpeg

Próxima à Fronteira
de Rubia Vaz

Palestra-performance criada como objeto artístico da dissertação “Performance ancestral: a grafia encantada do corpo”. A pesquisa investiga as dramaturgias do corpo de programas performativos, considerando-os uma prática de encantamento. Uma série de sete ações foram realizadas em diálogo com a vida e a obra de Ana Mendieta; a escolha por tal artista se deu pelo fato de que, ao colocar o corpo em comunhão com a natureza, ela aproximou a arte de performance da espiritualidade e da ancestralidade. Assim a pesquisadora cria uma fabulação a fim de pensar em uma ancestralidade artística e estabelece um diálogo com conhecimentos ancestrais a partir do compromisso com os sonhos e práticas de cuidado através de ervas medicinais. 

WhatsApp Image 2024-06-24 at 21.21.00 (1).jpeg

Ínfimo infinito
de Felipe Ribeiro

Ou, então, não era nada disso e as definições se tornavam provisórias. Mesmo a terra e o céu perdiam um significado próprio evidenciando, ao invés, uma disputa de perspectivas. Em escalas que oscilam do além ao aquém humano, ínfimo infinito propõe um percurso alveolar onde imersões no corpo se abrem em universos. Experimento de sensação e narrativa, Ínfimo infinito especula se a realidade virtual não é, desde sempre e ancestralmente, um ato de luxúria e uma operação que insiste em confundir o que se cria com o que se revela.

Fotos | Carol Spork

ABRIL / 2024

O LabDCT 1 – Residência Artística para experimentos corporais a partir da tecnodiversidade, cujo objetivo é olhar para a mediação tecnológica e poética digital nas artes a partir de perspectivas decoloniais e saberes ancestrais. Esse laboratório inaugural do EiDCT abrigará a primeira MI_Gira - uma série de ações de mobilidade proposta pela conexão Mulheres da Improvisação - M.I., que pretende ser desenvolvida em outras cidades durante 2024. 

Nesse LabDCT 1 / MI_Gira, a M.I. convida Onucleo, em parceria com a Universidade Indígena Aldeia Maracanã, para que proponham, em conjunto, experimentos corporais a partir da ideia da tecnodiversidade, sob a ótica da decolonialidade e ancestralidade. A partir dessa experiência com Onúcleo, a M.I. mergulhará num processo de investigação da linguagem audiovisual criada a partir de câmeras 360 graus, para o desenvolvimento do seu primeiro projeto artístico de 2024.

 

A M.I. Mulheres da Improvisação foi fundada em 2020, durante o período pandêmico, com o objetivo de integrar artistas-pesquisadoras docentes de várias estados brasileiros. Este é o primeiro encontro presencial que reunirá todas suas integrantes na ação MI_Gira, no Rio de Janeiro.

Fotos | Carol Spork

PARTICIPANTES

PARTICIPANTES

M.I. — Mulheres da Improvisação

A M.I. Mulheres da Improvisação é uma conexão formada por 7 mulheres pesquisadoras, que se dedicam ao estudo interdisciplinar da dança com foco em improvisação, feminismos e tecnologias. São artistas-pesquisadoras da dança, música, filosofia, performance, poesia, mídia arte e teatro, entre outras áreas do conhecimento, que se propõe a investigar o processo de improvisação nas cenas artísticas em diversos contextos tais como palcos, galerias, espaço urbanos, ambientes naturais, meios virtuais, digitais ou mediados por tecnologias, dentre outros. Através da prática como pesquisa a M.I. analisa e discute os processos de improvisação tendo como objetivo refletir sobre dinâmicas interativas, inícios e ignições, percepção, produção de sentido, tomada de decisão, interação e cocriação. A M.I.  busca, além da pesquisa artística, valorizar a força feminina como modo de ruptura para com pensamentos, ações e estruturas decorrentes de preconceitos étnico-raciais e de gênero. Nessa residência a M.I. tem o objetivo de integrar seu primeiro encontro presencial aos saberes decoloniais e ancestrais, proporcionando a conexão e a integração das diversas perspectivas femininas que compõem os grupos de pesquisa, bem como a criação de uma videodança 360 graus a partir das vivências deste encontro.

Ana
Mundim

É multiartista, professora e pesquisadora do Programa de Pós Graduação em Artes da Universidade Federal do Ceará. Coordena o grupo de pesquisa Dramaturgia do Corpoespaço, a linha de pesquisa Corpo, espaço e imagem e o projeto de extensão Temporal – encontros de improvisação e composição em tempo real.

Carolina
Natal

É Coreógrafa no curso de Dança da UFRJ  e Colaboradora do Programa de Pós Graduação em Dança (PPGDan) da UFRJ. Coordena o grupo de Pesquisa ADENTRAR: imagens, dança, tecnologias.

Líria
Morays

Lígia
Tourinho

É artista da dança e atriz, analista do movimento (CMA), professora das graduações em Dança e Direção Teatral e dos Programas de Pós-graduação em Dança e Artes da Cena da UFRJ. Professora convidada da Pós-graduação em Laban/Bartenieff (FAV) e do Ensino da Dança Clássica do Theatro Municipal (RJ).

É artista, educadora e pesquisadora em dança. Professora do Departamento de Artes Cênicas-UFPB e do Mestrado Profissional ProfArtes-UFPB. Coordena o grupo de pesquisa Radar 1 - Grupo de improvisação em dança (UFPB-CNPq).

Roberta
Ramos

Integrante das Mulheres da Improvisação. Artista e professora doutora do Curso de Dança da UFPE Líder do Grupo de Pesquisa Peteca. Membra do Acervo Recordança e do Coletivo Lugar Comum. Autora deDeslocamentos Armoriais (2012); e organizadora e autora nos livros Acordes e Traçados Historiográficos (2016); Motim (2017); Comum Singular (2019); e Livro deDançar: cartas para improvisar e compor.

Ivani
Santana

Artista e pesquisadora em dança com ênfase em processos de mediação com as tecnologias digitais. Foco atual: realidades expandidas (virtual, aumentada e mista) e vídeo 360 graus. Pós doutorado no Sonic Arts Research Centre, Reino Unido (2012/2013); pesquisadora visitante na Simon Fraser University e University British Columbia, Canadá (2018/2019). Coordenadora do PPGDan (UFRJ, 2024/2025). Líder do Grupo de Pesquisa Poéticas Tecnológicas: corpoaudiovisual.

Nara M.
Figueiredo

É filósofa, professora e pesquisadora do Departamento e PPG em Filosofia da UFSM. Trabalha com a natureza dinâmica, corpórea e interativa da mente e com a emergência do sentido.

Onucleo – Núcleo de Pesquisas, Estudos e Encontros em Dança – é um grupo de mulheres artistas-pesquisadoras interessadas em investigar a dança em uma perspectiva contracoreográfica, sintonizadas com práticas, processos e poéticas decoloniais. Atualmente a pesquisa vem sendo orientada pela aliança política, afetiva e artística com a Aldeia Maraka’nà. Nessa residência serão partilhadas tecnologias experimentadas há alguns anos como: o “estarcom” como prática de dança; o “sonhar o chão” como ativação de outros modos de contato, cuidado e criação na conexão corpo-território; o “einu-iwi: leituras para ouvir o chão” como práticas coletivas de estudos de textos de mulheres indígenas;  a “contracoreografia” como um termo que evidencia a violência da história colonial da dança e propõe práticas de levante; e por fim, a “produção de escritas somato-cartográficas” como prática de criação, documentação e arquivamento.  O núcleo é coordenado por Ruth Torralba e Lídia Larangeira.

Ruth Silva
Torralba Ribeiro

Artista e pesquisadora da dança em processo de retomada de sua ancestralidade indígena. Professora dos Cursos de Graduação e do Programa de Pós-Graduação em Dança da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Coordena com Lidia Larangeira o Núcleo de Pesquisa, Estudos e Encontros em Dança (onucleo) - UFRJ. Apoiadora e colaboradora da Universidade Indígena Pluriétnica e Multicultural Aldeia Maraka'nà (R.J).

Lidia
Larangeira

Artista e pesquisadora da dança. Professora dos cursos de Graduação em Dança da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e coordenadora, junto com Ruth Torralba do Núcleo de Pesquisa, Estudos e Encontros em Dança – onucleo, com o qual vem investigando dramaturgias contracoreográficas. Apoiadora e colaboradora da Universidade Indígena Pluriétnica e Multicultural Aldeia Maraka'nà (R.J).

bottom of page